Visões do antropoceno: As Imagens de Fukushima

“O mundo contemporâneo é hipervisual. Imagens em movimento mediam nossa compreensão dos acontecimentos. Quando este é uma catástrofe nuclear, a relação do evento com a sua representação visual adquire dimensões sem precedentes, motivado pelas leituras dissonantes e as características particulares da radioatividade.

No planeta existem um número aproximado de 450 reatores nucleares operativos para produção de energia e várias dezenas em construção e projetados. O Brasil tem dois reatores operativos e um terceiro em construção em Angra dos Reis, e usinas em estudo para o Sertão e a Amazônia.”

O doutorando Pablo de Soto mostra sua pesquisa sobre a dimensão audiovisual da crise nuclear de Fukushima como atividade paralela do Uranium Film Festival.

A palestra será em inglês e contará com a presença de debatedores internacionales como Norbert G. Suchanek e Marcia Gomes de Oliveira -realizadores de A fala do cacique e diretores do Uranium Film Festival-, Sriprakash -cineasta indiano autor de Buddha chora Jadugoda-, e Yojyu Matsubayashi -cineasta japonês autor de Fukushima: memórias das paisagens perdidas-.

CPM Escola de Comunicação da UFRJ – Av. Pasteur, 250 Praia Vermelha. Rio de Janeiro. 22 de maio de 2013, 11h

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s